28 de março de 2011

Feira de velharias de Braga

Nunca desilude. É impossível ir e não ficar de olho em alguma coisa ou até mesmo cair, aqui e ali, em tentação... foi o que me aconteceu com uns catálogos de tecidos de algodão e de tintos. Os tecidos são da Empresa Têxtil Eléctrica, Lda. que, segundo apurei, foi fundada em 1905, em Bairro (Famalicão), sendo umas das primeiras a utilizar, de raiz, a hidroelectricidade a partir de uma central no rio Ave. Curiosamente, o grupo empresarial têxtil a que pertencia acabou, por esta razão, a desenvolver a sua actividade na indústria hidroeléctrica, no Minho.

Estes não são para cortar....

Os outros dois catálogos são de tintos para tecidos e linhas a que não resisti pelas belíssimas cores. A J. R. Geigy existiu desde meados do século XIX, na Suiça, dedicando-se à actividade tintureira e ao cultivo de plantas tintureiras. Constituiu-se formalmente em 1901, mudando o nome para J. R.Geigy Ldt em 1914. Um dos seus químicos ganhou o Prémio Nobel. Depois de fusões, é actualmente a farmacêutica multinacional Novartis.
O primeiro é para sedas e o outro, para algodões.


E, claro, com tanta sorte, ainda encontrei um grande saco de retalhos, todo feito com flanelas axadrezadas, por 1€ porque não aceitei que fosse oferecido. Gente boa. 




23 de março de 2011

patchwork rug


Uma das minhas irmãs, sabendo das minhas manias, ofereceu-me estas amostras de tecidos, para brincar um bocadinho com as cores. São tecidos industriais grossos, de algodão, próprios para forrar sofás ou fazer reposteiros. O sítio preferido cá em casa para as brincadeiras continua a ser o chão mas, quando chega o calor, há quem se queixe de que os tapetes "picam". Parece-me que está na hora de fazer uma manta de chão para a Primavera que acabou de chegar, com as cores que começam a aparecer por todo o lado. Talvez lhes junte uns pedaços de ganga de várias cores que fui salvando das calças que se gastam cá em casa. Será completamente inspirada nos tapetes de retalhos turcos, na sua versão contemporânea, cujo único defeito que têm é o de ser impossível decidir de qual se gosta mais.

12 de março de 2011

estendais de alfama


Roque Gameiro é dos meus pintores favoritos das ruas e vielas da Lisboa do séc. XIX. Sobre esta aguarela, Alfama, referem-se as "tonalidades suaves, musicais, na representação da velha rua tortuosa, de janelas e varandas embandeiradas de colchas e lençóis, de roupas a secar, e de lajedo percorrido por populares trajados à moda de antanho." (Quadros do Museu da Cidade, Câmara Municipal de Lisboa, introd. Fernando Pamplona, 1972 - a litografia é parte integrante desta edição).

Quem me dera estas gentes e belos estendais...



10 de março de 2011

lenços de namorados ou lenços de amor

Os lenços de namorados e suas raízes históricas, a sua função sociológica no ritual do namoro minhoto e não só, e a sua presença no trajo tradicional é tema apetecível para quem se dedica a pensar e escrever sobre a cultura popular portuguesa.

No Minho, não há feira ou ajuntamento festivo em que não se vendam os lenços, hoje em dia já sujeitos a um processo de certificação. De cerca de meio metro de lado, os mais populares são os garridos e bordados com cores e pontos variados, frequentemente ilustrados com textos. Menos frequentes e também muito mais dispendiosos, os que contém bainhas abertas ou os bordados em ponto-de-cruz, ou os que são bordados sobre linho de cor.

Apesar de ver muitos à venda e de serem muito procurados, desprovidos da sua função original, que papel desempenham actualmente os leços de namorados? 
Na minha adolescência, os lenços tiveram a mesma função dos marcadores (sempre os conheci por este nome, embora nos poucos estudos portugueses sobre o tema sejam designados por mapas/mostruários), onde pude aprender e praticar vários pontos de bordado (pé-de-flor, cheio, recorte, canutilho, espiga), dando largas à imaginação no que respeita às cores (dezenas, sendo o único requisito a sua garridice), nos mais variados motivos (flores, folhas, corações, sóis, barcos, pássaros...), com base nos riscos que existiam em casa. O resultado final é vibrante, cheio de remeniscências da minha terra e, parte que me agrada especialmente, é um resultado útil, porque regularmente usado, nas festas, como pano da cesta do pão e dos bolinhos...

Tal como aconteceu com os marcadores, os lenços de namorados antigos sairam das arcas e passaram a ser objecto de decoração, devidamente emoldurados, partilhados à vista de todos.
Se uma pequena parte da produção dos lenços de namorados ainda se destina a complementar os trajos típicos dos grupos etnográficos da região, a maioria destina-se ao turismo, adquiridos como lembrança do Minho ou de Portugal.

Na fotografia: risco do Lenço das Quadras sob reprodução do lenço no livro Tesouros do Artesanato Português (vol. II) Têxteis, Teresa Perdigão (Editorial Verbo)

Exemplar do Lenço da Alice, bordado pela minha Mãe, a branco, como era feito originalmente, sobre fotografia de exemplar executado em azul, no mesmo livro.

É claro que não resisto a mostrar aqui alguns dos meus preferidos e que pertencem à colecção do Museu de Arte Popular, do Museu Nacional de Etnologia e do Museu Nacional de Arqueologia. Vale muito a pena também ver a colecção dos lenços de Aboim da Nóbrega.





Sobre lenços de namorados, para além do livro que refiro, e dos sites para que encaminho, também o catálogo da exposição do Museu de Arte Popular "O Ponto de Cruz, a grande encruzilhada do imaginário" (coord. Elisabeth Cabral), a que cheguei através da Rosa Pomar, e os clássicos da arte popular portuguesa (por exemplo, A Arte Popular em Portugal, dir. Fernando Pires de Lima, editorial Verbo).

1 de março de 2011

cores de espera

É nos breves instantes que dura o lusco-fusco em Lisboa que vejo as cores que mais me encatam
e que tentei colocar na manta de retalhos que fiz para um bebé de uma amiga que está a caminho,
e que são, percebi, as mesmas que, sem dar por isso, andaram pelos tricots que fiz para os meus filhos ainda antes de nascerem.