1 de julho de 2011

Madeira


Da Madeira gosta-se muito. De todo o lado surgem cores e cheiros misturados em neblina doce. A perspectiva e a escala são um desafio. Um artístico sentido de humor, fruto da generosidade do povo, cativa qualquer coração empedernido.
Muito recomendável: sumo de cana de açúcar acabado de espremer; o S. Pedro, em Câmara de Lobos; observar longamente plantações de tomates 580 metros mais a baixo que só se podem cultivar de barco (considerados os mais saborosos por causa da água do mar); comprar dez ramos de macela fresca à vendedora dos olhos bonitos.

1 comentário:

Anónimo disse...

O sentido de humor dos madeirenses é, de facto notável. Não perdem uma oportunidade de o exercitarem. Além do mais, é um sinal de inteligência.