15 de julho de 2011

amostras de vida

Um monte de antigas amostras de crochet pode despertar os maiores entusiasmos porque contém o gosto de uma época, porque contém também o fruto da imaginação e da arte de uma geração e de um país, algumas técnicas quase perdidas, mas também tempo, projectos, regozijo, frustrações, olhares e partilhas.

É o que vejo nestas amostras que tive a felicidade de encontrar e que pertenceram a alguém que não conheci - presumo que a uma mulher - extremamente hábil e curiosa pelos pormenores da técnica, deixando um legado que quase conta o processo de elaboração de cada peça.
 Trata-se amostras e não de trabalhos inacabados pois cada peça está devidamente rematada. Todas em algodão, algumas de tricot, a maioria de crochet, algumas combinando ambas as técnicas, e também em crochet sobre renda fabricada mecanicamente, o que foi possível perceber pelo pedaço enrolado que ainda se encontrava entre as amostras.
 As de tricot são feitas em algodão grosso, o que indicia destinarem-se a vestuário (uma delas parece ser para manga, outra para meia?), as de crochet sugerem encaixes e aplicações para vestidos e blusas, mas também acessórios de decoração doméstica.

Algumas amostras foram executadas com linha (e agulha) finíssima, outras (talvez as mais recentes) numa linha mais grossa, mas sempre com um ponto certíssimo e elegante.



Foram evidentemente feitas ao longo de uma vida, as que exigiam visão mais apurada, em linha fina, na juventude (na varanda, em tarde de Verão...), as outras, nos Outonos da vindima, nos Invernos da geada, nos Verões de S. João. 

São verdadeiramente inspiradoras. Que propósito teriam? Seria uma rendeira profissional que fazia trabalhos por encomenda, realizando as amostras para facilidade de escolha das clientes? Ou alguém que ciosamente guardou uma recordação dos trabalhos feitos ao longo de décadas para familiares e amigos? Ou alguma mulher encantada por estes trabalhos, coleccionando amostras que obteve aqui e ali (pouco provável, dada a consistência do ponto, em quase todas as amostras)?


 Sei bem o que irei fazer com elas, tivesse o dia mais umas poucas de horas...

6 comentários:

rita disse...

abençoadas mãos!
lindas amostras, lindo texto, lindo post :-)

by Deva disse...

São lindas!
Parabéns que blog tão bonito :)

sara aires disse...

Fantástico post! As amostras são lindíssimas, não só pela perfeição mas muito pela originalidade dos pontos. A minha avó também tem uma colecção grande de amostras e peças, que tive o przer de mostrar no meu blog. Acho que era apenas normal na época, fazer todo o enxoval (desde vestuário, roupa de casa, decoração) à mão em crochet/ tricot/ bordado. Como tal era habitual as mulheres juntarem-se para o fazer e trocavam amostras e até figurinos de revistas, copiando e recriando os pontos e técnicas.
Obrigada por partilhares estas raridades, estou a roer-me por saber como se fariam alguns desses pontos. :)

Alexandra Durão disse...

São todas muito bonitas, mas algumas requerem uma habilidade que não está ao alcance de qualquer um, que inveja! :-)

Sílvia Silva disse...

lindas! a minha avó também tem uma destas colecções. e continua todas as vezes que vê alguma coisa de que gosta a 'tirar a amostra'. as amostras servem como um esquema para quem sabe fazer crochet 'de olho'. as pessoas trocavam amostras frequentemente e guardavam para trabalhos ou inspiração futura. é preciso não esquecer que na altura o acesso a revistas e a esquemas era muito pouco e era este o método usado para gravar a técnica e o modelo. parabéns pela tua colecção, dá-lhe bom uso, pois ela merece:)

Z disse...

uau!.... que tesouro!